Qual é a aparência da fibromialgia? Como se parece alguém que tem dor 24 horas por dia

Vivemos em uma sociedade acostumada a julgar pelas aparências. Isso é um fato. Quando batemos o olho em alguma coisa ou alguém, muito frequentemente em questão de segundos já surgem milhares de interpretações, opiniões e julgamentos na nossa cabeça, mesmo sem saber do que aquilo se trata. Repare!

No quesito saúde/doença, não é diferente. Fazemos imediatamente a associação de doença com a imagem de uma pessoa debilitada, acamada, fragilizada, como se fosse uma obrigação que a doença se manifeste externamente em nosso organismo. E todos nós sabemos que isso não é verdade; as doenças ditas silenciosas são hoje as mais perigosas. Diabetes, hipertensão, e até mesmo câncer, na grande maioria das vezes não dão sinais nítidos quando começam a se manifestar (daí o seu perigo).

Quando falamos em dor, então, a situação piora muito. Imagine agora uma pessoa com muita, muita dor. Imagine com detalhes: onde ela está, qual a posição, qual a expressão em seu rosto. Como foi? Ela estava encolhida? Com cara de sofrimento? Deitada? De mau humor?

Agora imagine uma pessoa que sente dor 24 horas por dia, todos os dias, há muito tempo. Complicado, né?

Assim é a fibromialgia, uma condição de dor crônica generalizada e persistente, ainda sem causa ou cura definidas. Os sintomas da fibromialgia não manifestam nenhuma deformidade no corpo, como é o caso da artrite reumatoide, por exemplo. Ela também tem um diagnóstico complexo, por ainda não conseguirmos detectar através de exames as alterações que provoca.

O resultado disso é uma doença mal interpretada e negligenciada por grande parte das pessoas, e infelizmente, também dos profissionais de saúde. Eu sei o que eu sinto. Eu sei que eu tenho fibromialgia, e disso não tenho dúvidas. Não tenho dúvidas a cada dia que acordo com o corpo rígido, a cada momento em que a dor está tão forte que não tenho vontade de sair da cama, ou quando não consigo fazer as coisas que tenho vontade, seja pela dor física, seja pela fadiga (que ela também causa). Mas infelizmente – ou felizmente – essa dor não está estampada na minha cara, e eu não preciso pensar nela e falar nela o tempo todo, para provar que ela está aqui.

Então, não! Não existe uma aparência definida para a pessoa com fibromialgia. Nem sempre estaremos com aparência de alguém com dor. Somos pessoas como quaisquer outras, cheias de alegrias, de sonhos, conquistas, de força, mas também de dores, conflitos, medos e inseguranças. Sim, dói praticamente o tempo inteiro. Mas não, nós não precisamos expor essa dor através das nossas atitudes, nos tornando assim pessoas amargas, negativas, encolhidas ou mesmo isoladas socialmente.

É possível viver com fibromialgia e ainda assim ser feliz! Eu gravei um vídeo para compartilhar um pouco sobre esse assunto, caso você queira assistir:

Se você gostou dessas informações, curta, comente e compartilhe, ajudando assim na conscientização sobre a fibromialgia!

 

Lívia Teixeira   |   Coaching de vida para pessoas com fibromialgia

Lívia é farmacêutica, coach, paciente de fibromialgia e Idealizadora do programa De Bem Com a Fibro

Contato: livia@viverpleno.com

627688a023ab0c2371dba70307fdd3aa Instagram: @livia_debemcomafibro

fb_icon_325x325 Facebook: Lívia Teixeira – De Bem Com a Fibro

aYouTube: Lívia Teixeira – De Bem Com a Fibro

 

Compartilhe com seus amigos:

5 comentários em “Qual é a aparência da fibromialgia? Como se parece alguém que tem dor 24 horas por dia

  1. Lívia, apesar do seu sorriso lindo e da sua pele reluzente, eu vejo sim a dor no fundo seu olhar. Também sou portador e, assim como possivelmente ocorre com você, as pessoas se distream com a minha “beleza”, negligenciando toda a dor que eu sinto 24 h por dia, já há mais de 10 anos…

    1. Guto, é muito complicado isso né?! Acredito que a saída é a conscientização, realmente. E enquanto isso não acontece, temos que nos fortalecer emocionalmente para que isso não atrapalhe nossas vidas 🙂

  2. Com esse frio as dores triplicam. Como explicar para as pessoas que voce tem que sentar ate no banco preferencial por que não suporta ficar em pé no onibus ou no metrô? Dia desses quasr cai o onibus; perdi a força do braço e desequilibrei. E na fila da lotérica, do banco… Que fazer?

    1. Regina, também passo pela mesma coisa. É difícil quando não temos voz para pedir ajuda né?! Quando as pessoas não entendem, e pior, te julgam. Temos que ir nos virando para encontrar saídas e diminuir o impacto que isso causa na nossa vida 🙁

Deixe uma resposta